Procedimentos

Quais são os sintomas da Síndrome de HELLP na gestação?

Síndrome de HELLP na gestação

A Síndrome de HELLP é um dos transtornos de hipertensão que ocorrem durante a gravidez, sendo uma doença grave de elevada incidência de morte materna no mundo. Esta complicação obstétrica preocupa por ter um diagnóstico mais complicado, inclusive porque, de início, seus sintomas são silenciosos.

A doença é chamada síndrome por envolver um conjunto de sintomas – e também sinais – à medida em que avança. Ainda que ocorra de forma isolada, é uma complicação da pré-eclâmpsia e pode levar à morte tanto da mãe quanto do bebê.

O problema maior é que, no início, os sintomas da Síndrome de HELLP se confundem com a pré-eclâmpsia grave. Se não houver avaliação laboratorial correta, ela se agrava, acarretando lesão em órgãos importantes e, consequentemente, a morte materna.

Este é mais um artigo da nossa série focada na obstetrícia, especialização médica que acompanha a mulher em assuntos relacionados à gestação, inclusive no pós-parto. Boa leitura!

O que é a Síndrome de HELLP?

A Síndrome de HELLP, como mencionado, é um conjunto de alterações ocorridas no segundo ou terceiro trimestre de gestação. A abreviação dos termos em inglês resume os efeitos dela no organismo da paciente:

  • H: hemólise (fragmentação das células do sangue);
  • EL: aumento das enzimas hepáticas;
  • LP: contagem baixa de plaquetas.

De forma simplificada, a doença provoca o aumento das enzimas do fígado, destruição das hemácias e redução das plaquetas. Caso a síndrome não seja devidamente cuidada, poderá ocorrer edema agudo dos pulmões, falência cardíaca, insuficiência renal, hemorragia, ruptura do fígado, até chegar ao óbito da mãe e do bebê.

Principais sintomas da Síndrome de HELLP na gestação

Identificar os sintomas da Síndrome de HELLP nas gestantes é, na verdade, um dos principais desafios para obstetras de todo o planeta. De fato, em alguns quadros, ela se mostra silenciosa no início e, em outros, se confunde com outras condições clínicas, como gripe, gastrite ou hepatite aguda.

A gestante pode apresentar, por exemplo:

  • Vômitos;
  • Náuseas;
  • Mal-estar geral;
  • Dor de cabeça;
  • Dor na lateral direita da barriga;
  • Inchaço nas mãos e rosto;
  • Ganho excessivo de peso, mas de forma repentina;
  • Alterações de visão;
  • Dor nos ombros;
  • Falta de ar;
  • Hemorragia nasal.

Uma vez que as plaquetas ajudam o sangue a coagular, um dos principais sintomas da síndrome é a hemorragia.

Como fazer o diagnóstico da Síndrome de HELLP?

Os sintomas auxiliam o profissional no encaminhamento do diagnóstico correto da Síndrome de HELLP, bem como o aumento da pressão arterial, alterações nos níveis de urina e enzima do fígado, redução das plaquetas e hemácias.

Porém, como a doença é um agravamento da pré-eclâmpsia, uma das diversas síndromes hipertensivas da gestação, caso os exames clínicos e laboratoriais da paciente apresentem alterações de enzimas hepáticas, hemólise e baixa contagem de plaquetas, estes serão indicativos de que ela sofre desta enfermidade.

Pode ser necessário solicitar exames laboratoriais urgentes para o diagnóstico da Síndrome de HELLP, tais como:

  • Hemograma completo com diferencial, incluindo plaquetas;
  • Transaminases hepáticas;
  • Nível de bilirrubina;
  • Anemia hemolítica constatada por esfregaço de sangue;
  • Nível plaquetas igual ou inferior a 100.000 células/µl;
  • LDH igual ou superior a 600 UI/l ou bilirrubina total igual ou superior a 1,2mg/dL;
  • Concentração sérica de AST (aspartato aminotransferase) igual ou superior a 70 UI/l.

Com o diagnóstico da Síndrome de HELLP, a paciente deve ser tratada imediatamente de acordo com o protocolo correto, com base no seu quadro clínico e no estágio da gestação.

Quem pode ter Síndrome de HELLP?

Ao estudar sobre os sintomas da Síndrome de HELLP, saiba que esta é uma complicação da pré-eclâmpsia, ao que especialistas estimam que, aproximadamente, 8% das gestantes podem desenvolver. Porém, mulheres cardíacas e que tenham doenças crônicas renais, lúpus e diabetes têm propensão a sofrer com ela.

Infelizmente, não há meios de preveni-la, nem frear os seus efeitos.

Outros fatores que indicam a propensão são idade acima de 35 anos, obesidade, pressão alta, além do histórico de pré-eclâmpsia ou eclâmpsia.

Tratamento e orientações à paciente

Após a identificação dos sintomas da Síndrome de HELLP e o correto diagnóstico, você deverá atuar para neutralizar o problema. O primeiro passo é encaminhar a gestante à UTI para que ela tenha um acompanhamento constante.

No entanto, isso vai depender da idade gestacional, pois é comum que, em caso de estabilidade, o parto seja induzido após a 34ª semana no intuito de evitar complicações para mãe e bebê.

Após o parto, o recém-nascido é encaminhado para a UTI neonatal para acompanhamento e monitoramento. Casos em que a idade gestacional (IG) não tenha sido estimada podem exigir a adoção do Método de Capurro.

Em contrapartida, em gestações inferiores a 34 semanas, a mãe recebe injeções musculares de corticóides para o desenvolvimento pulmonar do bebê. É importante deixar a paciente ciente quanto às possíveis complicações relacionadas à síndrome.

Para a mãe, a Síndrome de HELLP pode provocar, por exemplo, trombose recorrente, descolamento da placenta, coagulação intravascular disseminada, infarto ou hemorragia cerebral, além de eclâmpsia. O bebê pode sofrer restrição de crescimento, trombocitopenia neonatal, síndrome da angústia respiratória neonatal ou nascimento prematuro.

Ao perceber qualquer um dos sintomas da Síndrome de HELLP, seja por avaliação clínica ou por intermédio da anamnese, o tratamento deve ser imediatamente iniciado.

Caso a mãe se enquadre em algum dos fatores de risco, é importante ter acompanhamento pré-natal constante, assistência multidisciplinar, bem como orientações sobre estilo de vida saudável, atividades recomendadas pelo obstetra e dieta balanceada.

Este é um conteúdo especial criado pelo Centro de Desenvolvimento em Medicina (CDM), uma escola que oferece os melhores treinamentos e atualizações para profissionais da área da saúde. Boa leitura!

Quer receber novas atualizações? Siga nosso perfil no Instagram!

Depois de ver aqui quais são os sintomas da Síndrome de HELLP, queremos convidá-lo a conhecer algumas das principais doenças do sistema urinário e a ler o nosso conteúdo sobre esclerose subcondral.

Em alta

O que é esclerose subcondral?

Doutor, você já ouviu a falar sobre a Esclerose Subcondral? Ela é uma doença óssea muito comum. Mas, você sabe como diagnosticá-la? Entenda!

Ler matéria

Quais são os 4 tipos de hipersensibilidade?

Considerada como um distúrbio, a hipersensibilidade pode ocasionar diversos danos graves ao seu paciente. Confira os 4 principais tipos!

Ler matéria

Quais são os planos de delimitação do corpo humano?

Você sabia que o corpo humano é referenciado de acordo com três planos mutuamente ortogonais? Confira quais são os planos de delimitação!

Ler matéria

O que é arritmia supraventricular isolada?

A Arritmia Supraventricular Isolada é uma condição cardíaca que afeta o ritmo do coração e suas variações. Conheça os riscos e tratamentos!

Ler matéria

Como coletar gasometria arterial?

Está com dúvida de como coletar a gasometria arterial? Ela é realizada por meio da punção na artéria do paciente. Saiba dominar essa técnica!

Ler matéria

Quais doenças o exame FAN detecta e quando solicitar ao paciente?

Feito a partir da análise de uma amostra de sangue do paciente o exame FAN ajuda a diagnosticar doenças autoimunes como a lúpus. Saiba mais!

Ler matéria

Outras matérias

Como coletar gasometria arterial

Como coletar gasometria arterial?

Está com dúvida de como coletar a gasometria arterial? Ela é realizada por meio da punção na artéria do paciente. Saiba dominar essa técnica!

Quais as melhores residências em clinica medica

Quais são as melhores residências em clínica médica?

Quer saber quais são as melhores residências em clínica médica? Preparamos 7 dicas que podem te orientar na escolha mais adequada. Entenda!

Qual a importância da microbiota humana

Entenda qual é a importância da microbiota humana e seu papel como alvo terapêutico?

Você já ouviu falar sobre a microbiota intestinal humana? Ela reduz patologias ao auxiliar na digestão e absorção de nutrientes. Saiba mais!

Protocolo para realização de ECG

Protocolo para realização de ECG

Por conta da complexidade do exame e para evitar erros comuns, é essencial que o médico siga o protocolo para realização de ECG. Entenda!